As doenças neuromusculares são uma classificação que envolve um universo de diferentes patologias. São enfermidades na maioria das vezes crônicas, que podem afetar os músculos, nervos, medulas e costumam comprometer o movimento de membros e outras funcionalidades do acometido. A boa notícia é que os tratamentos estão cada vez mais avançados e devolvem a esperança ao paciente e à família.

Nesta matéria, nós, do Hospital Santa Júlia, vamos falar sobre como a toxina botulínica auxilia no tratamento de problemas neuromusculares. Confira!

Doenças neuromusculares


Como você viu no início, esta classificação envolve uma série de outras doenças. Neste tópico, nós vamos focar nas doenças que podem ser tratadas com a toxina botulínica. São elas:

  • Espasticidade: trata-se de um distúrbio de controle muscular caracterizado pela tensão e rigidez que impedem a capacidade de controlar os músculos. Os sintomas podem persistir por muito tempo, entre eles o reflexo de agarrar hiperativo, em que o paciente mantém os punhos apertados.
  • Bruxismo: é uma desordem funcional que se caracteriza pelo ranger ou apertar dos dentes durante o dia ou, mais comumente, durante o sono.
  • Enxaqueca crônica: é um dos tipos de cefaleias bastante comuns. A pessoa que sofre com enxaqueca crônica tem dificuldade de concentração e a qualidade de vida comprometida.
  • Distúrbios do movimento:

- Distonia: é um tipo de movimento involuntário que pode ocorrer em qualquer região do corpo, mas de maneira localizada. Geralmente provoca postura anormal e é frequentemente associado a dor.

- Espasmo hemifacial: é um tipo de espasmo voluntário indolor de um dos lados do rosto devido uma disfunção nervo facial. Costuma estimular a salivação e glândulas lacrimais.


Confira também:


O que é toxina botulínica?


A substância neurotoxina produzida pela bactéria clostridium botulinum, que ajuda a interromper a transmissão neuronal, levando ao bloqueio neuromuscular. Trata-se de uma toxina de natureza biológica, com diversas indicações, dependendo da especialidade médica. Mas como o nosso foco aqui são as doenças neurológicas, confira o próximo tópico.

Tratamento com toxina botulínica


Quando injetado no tecido-alvo, a toxina botulínica liga-se seletivamente a estruturas dentro do neurônio, inibindo a liberação da acetilcolina (um neurotransmissor envolvido na contração muscular), levando ao relaxamento muscular. Esse procedimento médico contribui para que os efeitos da doença diminuam consideravelmente num período de 3 a 4 meses, em média.

O início dos resultados da aplicação podem ser observados de 2 a 3 dias, alcançando seu efeito máximo depois de duas semanas.

Para pacientes com espasticidade, o acompanhamento de um fisioterapeuta ou ortopedista é fundamental para auxiliar nos tratamentos.

Quem pode aplicar a substância?


Os profissionais indicados para aplicar a toxina botulínica podem variar de acordo com a especialidade e doença. Para as patologias neurológicas como enxaqueca crônica e distonia, por exemplo, o neurologista é o especialista indicado para iniciar o tratamento.

Já em pacientes com lesões encefálicas e/ou medulares que desenvolveram espasticidade, o neurologista, o fisiatra e o ortopedista podem aplicar, de preferência o especialista que tenha treinamento e experiência.

Os benefícios do tratamento


Algumas doenças neuromusculares são crônicas, isso quer dizer que até então não existem cura para elas. Porém, os tratamentos com a toxina botulínica têm se mostrado bastante promissores. Os benefícios do tratamento são o controle da doença e uma melhora significante na qualidade de vida dos pacientes.

Este conteúdo foi útil para você? Bom, cuidar da saúde e se prevenir é o melhor remédio. Por isso, estar atento a sinais diferentes no corpo é fundamental para identificar doenças. Não deixe de conferir a nossa matéria sobre o que é a esclerose múltipla e quais os sintomas da doença?